Buscar:
Boletim Técnico
Análise Sinótica: 17/05/2017-00Z
Nivel 250 hPA
Na análise da carta sinótica de 250 hPa da 00 UTC do dia 17/05, nota-se o predomínio de uma circulação anticiclônica sobre o centro-norte do continente. Nas bordas oeste e norte desta circulação, nota-se difluência no escoamento que, aliada à termodinâmica, favorece a presença da nebulosidade convectiva observada na imagem de satélite. Observa-se um cavado sobre o Atlântico, contornado pelo Jato Subtropical (JST) e ramo norte do Jato Polar (JPN). Este sistema favorece um sistema frontal em superfície, bem afastado do continente, porém alinha a convergência de umidade em direção ao leste da BA. Os escoamentos do JST e do JPN atuam de forma praticamente acoplada desde o Pacífico, onde contornam um significativo cavado, contornado também pelo ramo sul do Jato Polar (JPS). A presença do JST e JPN sobre parte do centro-sul do Brasil auxilia na produção de áreas de instabilidade vistas na imagem de satélite. À leste de 30°W pode-se observar o cavado associado ao último sistema frontal que atuou sobre o continente nos dias anteriores. Ao sul de 40°S, nota-se a atuação do ramo sul do Jato Polar, entre o Pacífico e o sul do continente, onde favorece a presença de sistemas frontais em superfície.
» Visualizar imagem de 250 hPA
Nível 500 hPA
Na análise da carta sinótica de 500 hPa da 00 UTC do dia 17/05, observa-se que sobre o centro-norte do Brasil predomina o escoamento anticiclônico centrado entre RO e o noroeste de MT. Neste nível, este padrão de escoamento induz movimentos descendentes que dificultam a formação de nebulosidade significativa e, por compressão adiabática, auxiliam no aquecimento diurno. Entre MG, ES e oceado adjacente, nota-se curvatura ciclônica no escoamento, que favoreceu a formação de nebulosidade. Observa-se amplo cavado no Pacífico, próximo a costa chilena, a sul de 20°S, como reflexo do cavado em altitude.
» Visualizar imagem de 500 hPA
Superfície
Na análise da carta sinótica de superfície das 00Z do dia 17/05, observa-se um sistema frontal sobre o Oceano Atlântico, afastados da costa do Brasil, a leste de 30°W. Uma alta pressão de 1028 hPa está posicionada em torno de 51°S/38°W. Sobre o Pacífico na costa do Chile, observa-se um outro sistema frontal, cujo a baixa tem valor de 984 hPa, posicionado em torno de 50°S/78°W. A Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS) apresenta valor de 1020 hPa, a leste de 10°W e fora do domínio da figura. A Alta Subtropical do Pacífico Sul (ASPS) tem valor de 1028 hPa, localizado em 110°W, fora do domínio da imagem. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) atua entre 05°N/07°N no Oceano Pacífico e em torno de 04°N sobre o Oceano Atlântico.
» Visualizar imagem de Superfície
Previsão
Nesta quarta-feira (17/05), o ciclone associado à frente fria encontra-se sobre o Oceano Atlântico, alinhando ainda a convergência de umidade em direção ao Estado da BA e contribuindo para as instabilidades e chuvas em pontos isolados próximo do Recôncavo Baiano. Em parte da Região Centro-Oeste e Sudeste observa-se um cavado em níveis médios e altos que provoca instabilidade e pancadas de chuva isoladas sobre parte do MS, MT, GO, norte de SP e grande parte de MG. Em grande parte da Região Norte, o calor e alta umidade do ar, assim como o escoamento em altos níveis, deixará o tempo com condições para pancadas de chuva, principalmente no setor oeste desta Região. A partir da quinta-feira (18/05), um cavado presente no Oceano Pacífico, já cruzará a Cordilheira dos Andes, contribuindo para a formação de uma onda frontal e sobre grande parte do setor oeste da Região Sul, oeste do Uruguai, norte da Argentina e centro-sul do Paraguai, haverá condições para pancadas de chuva que em pontos isolados poderão ser fortes, acompanhadas de descargas elétricas e rajadas de vento pontuais. Estas instabilidades também são favorecidas pelo escoamento do JBN, que estará com direcionamento para parte destas localidades, transportando calor e umidade. Sobre o oeste e parte do centro e norte de SP, centro-sul do MS e no Triângulo Mineiro, um cavado presente em médios e baixos níveis, assim como a circulação dos ventos de norte, deixarão o tempo instável com condições para pancadas de chuva, principalmente a partir da tarde, sobre estas localidades. Na sexta-feira (19/05), com a onda frontal já formada, o tempo ficará instável com previsão de pancadas de chuva em praticamente toda Região Sul do país. Estas pancadas deverão ser intensas e gerar acumulados expressivos de precipitação em alguns pontos desta Região. Sobre o Estado de SP, MS e parte de MG, a divergência do escoamento em altos níveis, presença de um cavado em baixos níveis e o direcionamento da saída do JBN, contribui para as instabilidades e pancadas de chuva sobre estas localidades. No litoral norte da BA, litoral de SE e sul de AL, haverá condições de chuva devido à convergência de umidade em baixos níveis proporcionado por distúrbios vindos de leste. No sábado (20/05), ainda permanece tempo instável com pancadas de chuva no nordeste do RS, oeste de SC e do PR, centro-norte e oeste de SP, centro-oeste e noroeste de MG, MS, centro-sul de GO, sul, centro, sudoeste e oeste do MT e setor norte da Região Norte. Chuvas isoladas no litoral norte da BA, SE e litoral de AL, de PE e de PB. Os acumulados de precipitação deverão ser intensos e as pancadas de chuva deverão vir acompanhadas de descargas elétricas e rajadas de vento em alguns pontos. Ressalta-se que a termodinâmica e a difluência do escoamento em altos níveis, proporciona pancadas de chuva na Região Norte, principalmente no setor mais à oeste, assim como em pontos do MT, nestes últimos 4 dias de previsão. Ressalta-se também que os modelos númericos não estão divergindo quanto ao posicionamento do ciclone que se formará entre esta quinta e sexta-feira. O que aumenta a previsibilidade deste sistema e as condições de tempo associadas, visto que os modelos estão concordantes em suas soluções. O posicionamento e os valores dos maiores acumulados de precipitação para os próximos dias, estão sendo previstos de forma bastante aproximada pelos modelos globais GFS e BAM, assim como pelo modelo regional ETA 15 km. Isso deve-se também pela posição do ciclone que está sendo prevista de forma bastante semelhante pelos modelos.

24 horas

48 horas

72 horas

96 horas

120 horas
Fale Conosco